sábado, 27 de agosto de 2011

Nitiren Daishonin - Principios básicos e personagens do budismo - ADMISSÃO E 1 º GRAU


Nitiren Daishonin

Edição 515 - Publicado em 16/Julho/2011 - Página 72

Princípios básicos e personagens do Budismo

Nitiren Daishonin nasceu em 16 de fevereiro de 1222, em Kominato, na província de Awa (a leste da atual Baía de Tóquio), no Japão. Filho de pescadores, na infância, recebeu o nome Zenniti-maro.
Com 12 anos, iniciou os estudos no templo Seityo, da escola Tendai. Decidiu seguir o sacerdócio aos 16 anos, tendo Dozembo — o sacerdote chefe desse templo — como mestre. Ao ordenar-se, adotou o nome religioso Zeshobo Rentyo.
Depois de vários anos de estudo nos principais templos de Kamakura, Quioto e Nara, Rentyo concluiu que o verdadeiro ensino do Budismo encontrava-se no Sutra de Lótus, por revelar a essência da iluminação do Buda Sakyamuni.
Rentyo retornou, então, ao templo Seityo e, em 28 de abril de 1253, recitou o Nam-myoho-rengue-kyo pela primeira vez, declarando a fundação do Verdadeiro Budismo. Ele mudou também seu nome para Nitiren (literalmente, Sol de Lótus).
Nessa ocasião, Nitiren Daishonin refutou a escola Terra Pura (Nembutsu) afirmando ser a causadora de incessantes sofrimentos. Essa declaração provocou a ira de Tojo Kaguenobu, fervoroso adepto da Terra Pura, que se valeu da autoridade regional exercida para bani-lo do templo Seityo. Daishonin foi então para Kamakura, sede do governo da época.
Numa pequena cabana localizada em Matsubagayatsu, no subúrbio de Kamakura, iniciou as atividades de propagação de seus ensinos. Nessa época, as três calamidades e os sete desastres1 ocorreram um após o outro. Em particular, um grande terremoto abalou Kamakura em agosto de 1257 e destruiu grande parte das edificações. Diante dessas ocorrências, Nitiren Daishonin visitou o templo Jisso para ponderar sobre como erradicar a causa dessas calamidades. Foi durante a estada de Daishonin nesse
templo que Nikko Shonin tornou-se seu discípulo. Mais tarde, Nikko Shonin assumiu como legítimo sucessor de Nitiren Daishonin.
No dia 16 de julho de 1260, Nitiren Daishonin endereçou um tratado intitulado “Tese sobre o Estabelecimento do Ensino Correto para a Paz da Nação” (Rissho Ankoku Ron) a Hojo Tokiyori, ex-regente que exercia grande influên­cia no governo.
O tratado afirmava que a causa das três calamidades e dos sete desastres estava na calúnia das pessoas à verdadeira Lei e na aceitação de doutrinas que contradiziam os ensinos do Buda Sakyamuni.
Entretanto, Tokiyori rejeitou a admoestação de Nitiren Daishonin. Enquanto isso, com o apoio de Hojo Shiguetoki, pai do então regente Hojo Nagatoki, um grupo de seguidores da Terra Pura reuniu-se em torno da cabana de Nitiren Daishonin, em Matsubagayatsu, para assassiná-lo. Esse acontecimento é conhecido como Perseguição de Matsubagayatsu e ocorreu na noite de 27 de agosto de 1260.
Nitiren Daishonin escapou por pouco dessa perseguição, mas foi banido em 12 de maio de 1261 — o chamado Exílio em Izu. A ordem do regente de exilá-lo foi, na realidade, uma decisão ilegal baseada apenas em razões pessoais. Em 22 de fevereiro de 1263, ele foi libertado do exílio por ordem de Hojo Tokiyori e retornou a Kamakura.
Em 11 de novembro de 1264, quando Nitiren Daishonin estava a caminho de uma visita a seu discípulo Kudo Yoshitaka, sua comitiva e ele foram atacados pelos soldados de Tojo Kaguenobu na localidade de Komatsubara. Nessa emboscada, conhecida como
Perseguição de Komatsubara, Nitiren Daishonin sofreu um corte à espada na testa e teve a mão esquerda quebrada. Além disso, dois de seus discípulos, Kyoninbo e Kudo Yoshitaka, foram mortos.
Outra tentativa de Daishonin para alertar as autoridades foi motivada pela chegada de emissários mongóis a Kamakura, em 18 de janeiro de 1268. Os emissários traziam uma ordem de submissão ao governo japonês. Caso a ordem fosse ignorada, o Japão seria invadido pelo exército mongol.
Diante da iminente invasão estrangeira, que havia predito na “Tese sobre o Estabelecimento do Ensino Correto para a Paz da Nação” (Rissho Ankoku Ron), Nitiren Daishonin admoestou os governantes, dizendo que deveriam abraçar o Verdadeiro Budismo.
No dia 10 de setembro de 1271, Hei no Sae­mon, subdelegado do Departamento de Assuntos Militares, intimou Nitiren Daishonin a prestar depoimento na Corte imperial. Ele o enfrentou destemidamente, advertindo quanto à conduta errônea do governo.
Como resultado, dois dias depois, em 12 de setembro, Nitiren Daishonin foi arrastado como criminoso pelas ruas de Kamakura por soldados de Hei no Saemon, que decidiu arbitrariamente condená-lo à pena de morte.
Contudo, no momento da decapitação, um corpo celeste tão brilhante quanto a Lua surgiu repentinamente no céu de Enoshima. O episódio é descrito no seguinte trecho do escrito “Sobre o Comportamento do Buda”: “Era pouco antes da alvorada e estava
muito escuro para ver a fisionomia de qualquer pessoa. Entretanto, o objeto luminoso clareou toda a área. O carrasco caiu cobrindo o rosto por ter os olhos ofuscados. Os soldados entraram em pânico e ficaram atemorizados. Alguns fugiram para longe,
outros caíram de seus cavalos e vários se encolheram debaixo das selas” (As Escrituras de Nitiren Daishonin, v. I, p. 163). Tal acontecimento ficou conhecido como Perseguição de Tatsunokuti.
Nesse momento, Nitiren Daishonin abandonou a condição efêmera de Bodhisattva Práticas Superiores (Jogyo) e revelou a verdadeira identidade de Buda Original dos Últimos Dias da Lei. Esse fato é chamado hosshaku kempon (abandonar a forma
transitória e revelar a verdadeira identidade).
Nitiren Daishonin foi condenado ao exílio na Ilha de Sado, após a tentativa malsucedida de execução. Ele chegou à Ilha de Sado, no Mar do Japão, em 28 de outubro de 1271. Ali, foi abandonado numa pequena choupana em ruínas, localizada no meio do
cemitério de Tsukahara. Nessa remota ilha, o inverno era extremamente rigoroso e ele não possuía roupas para suportar o frio nem alimentos. Nitiren Daishonin ainda sofreu constantes ataques dos bonzos inimigos que residiam na região. Apesar de
enfrentar essas circunstâncias, ele escreveu importantes obras durante a permanência em Sado, como “Abertura dos olhos” e “O Objeto de Devoção para a Observação da Mente”.
O escrito “Abertura dos olhos”, concluído em fevereiro de 1272, é a prova documental da revelação de Nitiren Daishonin como Buda Original. Ele expõe ser o possuidor das “três virtudes de soberano, mestre e pais” e o “Buda Original dos Últimos Dias da
Lei”, ou o “objeto de devoção em termos de Pessoa”.
Ele escreveu “O Objeto de Devoção para a Observação da Mente” em abril de 1273, no qual esclarece o objeto de devoção para a salvação de todas as pessoas nos Últimos Dias da Lei. Nitiren Daishonin inscreveu sua condição de vida em forma de mandala,
revelando desse modo o “objeto de devoção em termos de Lei”. Por meio desses escritos, ensina que as pessoas nos Últimos Dias da Lei devem abraçar o objeto de devoção (Gohonzon) de Unicidade de Pessoa e Lei (ninpo ikka) e recitar o Daimoku com fé
para atingir a iluminação nesta vida.
Perdoado do exílio em fevereiro de 1274, Nitiren Daishonin retornou a Kamakura e apresentou-se perante Hei no Saemon em 8 de abril. Nessa ocasião, o subdelegado do Departamento de Assuntos Militares mostrou-se gentil e educado ao perguntar a
Daishonin sobre o ataque mongol e quando isso ocorreria. Ele respondeu claramente: “Eles certamente chegarão ainda este ano”, conforme consta no escrito “Sobre o Comportamento do Buda”. Também admoestou os oficiais contra a aceitação de religiões
heréticas e solicitou a eles que abraçassem a fé no Verdadeiro Budismo a fim de evitar a invasão. Entretanto, eles polidamente recusaram a advertência. Nitiren Daishonin decidiu então viver em reclusão na Vila Haguiri, situada aos pés do Monte Minobu.
Em outubro de 1274, as forças mongóis atacaram as ilhas Ikki e Tsushima e a região de Kyushu no sul do Japão. Durante essa época, Nitiren Daishonin devotou-se totalmente a preparar os discípulos e trabalhou em volumosas teses, tais como “A Seleção do
Tempo” e “Retribuição das Dívidas de Gratidão”. Ele também transferiu oralmente seus ensinos ao sucessor Nikko Shonin, os quais compõem o “Registro dos Ensinos Orais” (Ongui Kuden).
Em setembro de 1279, vinte camponeses seguidores de Daishonin, que viviam em Atsu­hara, foram injustamente detidos, leva­dos a Kamakura e aprisionados, sendo coagi­dos a abandonar a fé no Budismo Nitiren. Porém, eles persistiram sem ceder às
torturas impostas pelos guardas de Hei no Saemon. Mais tarde, os três irmãos Jinshiro, Yagoro e Yarokuro foram executados, enquanto os outros dezessete seguidores foram banidos de suas terras. Esta foi a Perseguição de Atsuhara.
Nesse acontecimento, os adeptos camponeses mantiveram a fé com risco de perder a vida. Com isso, Nitiren Daishonin reconheceu que a época para cumprir o propósito de seu advento havia chegado. Então, inscreveu o Dai-Gohonzon do Verdadeiro
Budismo em 12 de outubro de 1279.
Mais tarde, Nitiren Daishonin mudou-se para o templo Kuon, construído em novembro de 1281. Depois de transferir a essência de seus ensinos a Nikko Shonin, Daishonin faleceu em 13 de outubro de 1282, na residência de seu discípulo Munenaka Ikegami.

Um comentário:

  1. linda a história de Nitiren Daishonin , e eu como praticante budista , serei tão fervoroso em minha fé quanto Nitiren foi!

    ResponderExcluir